Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Intercompany

Intercompany

Conheça o caminho para criar um comércio eletrônico de sucesso

Os donos de lojas virtuais têm vantagens sobre os comércios físicos, mas devem estar atentos a vários fatores. Saiba quais

 

comercio eletronico, e-commerce, internet, mulher (Foto: ThinkStock)

 

É importante fazer que consumidores se identifiquem com sua marca (Foto: ThinkStock)

 

O comércio eletrônico já é, há algum tempo, uma boa oportunidade de negócio para empreendedores. Os donos de lojas virtuais têm duas grandes vantagens: podem vender para consumidores de todo o mundo e não precisam de um ponto de venda – basta um estoque.

No entanto, não se pode dizer que é fácil criar e gerenciar um e-commerce. Deve-se montar uma estrutura, em muitos casos, tão complexa como a de um comércio físico. A opinião é de Ivan Bastos, cofundador da Webjump, empresa especializada no desenvolvimento da plataforma Magento para lojas virtuais e serviços de e-mail marketing, publicidade e otimização de páginas online. Ele afirma que, além de saber os tipos de produtos que deseja vender, o empreendedor tem que conhecer o segmento de mercado que estará presente.

Segundo Bastos, há alguns fatores que devem ser levados em consideração por quem deseja montar um bom comércio eletrônico. Confira:

 

1. Público
Antes de tudo, você deve pensar e estabelecer o seu público-alvo. Defina para quem, com quem e como vai falar. Tal estratégia de comunicação é importante para que as pessoas se identifiquem com sua marca.



2. Stock
Ter um bom stock é algo fundamental para otimizar a logística. Quanto mais produtos vendidos, maior deve ser seu stock. Evite transtornos com seus futuros consumidores. Não venda aquilo que você não pode entregar. Procure estar certo de que poderá atender, de forma rápida e segura, o seu cliente. Na internet, um cliente insatisfeito pode reduzir a reputação da sua loja nas mídias sociais.



3. Atendimento
Ofereça diversos

canais de atendimento e contato ao cliente. Além de telefone e e-mail, invista em atendimento personalizado por meio de chat e redes sociais, como Facebook e Twitter. Esses últimos são, segundo Bastos, os favoritos do público, graças a velocidade do serviço. Lembre-se, o seu e-commerce está online e o seu consumidor também. Você deve estar sempre próximo a ele.



4. Política de trocas
Estabeleça e disponibilize no site como funciona o processo de troca e devolução de sua loja. Respeite os prazos e respeite a política descrita pelo Código de Defesa do Consumidor (CDC). Você tem mais chances de fazer vendas para quem já comprou no seu site do que para quem nunca comprou. Portanto, se o consumidor estiver satisfeito com os seus serviços, ele possivelmente voltará a você.



5. Divulgação
Se ninguém sabe que sua loja existe, não adianta oferecer o melhor preço. Invista em ferramentas de marketing digital, como otimização de resultados nas buscas, links patrocinados, e-mail marketing e redes sociais. Lembre-se de estar presente onde o seu público-alvo está presente. Atendimento, informação e qualidade geram vendas e clientes.



6.  Fornecedores
Faça uma cotação e procure por bons fornecedores. Escolha aqueles que entregam produtos de qualidade e no prazo correto. Também estabeleça um contrato mostrando responsabilidades e direitos de ambas as partes. Se você conseguir bons fornecedores de produtos e com entrega rápida, poderá trabalhar com menos estoque e rentabilizar a sua operação.



7. Cadastro de produtos
Todos os produtos devem ter fotos com resolução adequada e descrição detalhada. Tome cuidado, pois dados incorretos geram reclamações no Procon. A página do produto deve estar recheada de detalhes, como especificações técnicas, depoimento de outros compradores e artigos relacionados, entre muitas outras informações. Uma página pobre e com poucas informações não gera resultados e vendas.